Loading

O Orfanato de Elefantes no Quênia

Escolha o país ou conteúdo de viagem

Qual seu destino? Descubra tudo que você precisa saber para viajar mais, gastando menos.

mundosemfronteiras - elefante mamando

O Orfanato de Elefantes no Quênia

O Orfanato de elefantes no Quênia

           Na minha última viagem à África visitei um lugar que achei bem especial: o orfanato de elefantes David Sheldrick Wildlife Trust, que fica localizado em Nairóbi, na capital do Quênia.

Screen Shot 2016-03-10 at 11.49.19 AM

É um lugar muito famoso na região e pode parecer uma “armadilha para turistas”, mas tive a oportunidade de presenciar com meus próprios olhos e realmente constatar que é um lugar sério e faz um trabalho a ser admirado.

David Sheldrick Wildlife Trust funciona literalmente como um orfanato e vou explicar: na África existe um problema enorme com a caça ilegal de animais, muitos deles são covardemente assassinados por poachers (caçador ilegal) apenas para retirarem uma determinada parte. Este é um caso muito comum entre os rinocerontes onde os caçadores vão atrás dos chifres e dos elefantes onde o alvo são as presas que são feitas de marfim e valem uma grana alta.

Um elefante adulto chega a ter até seis toneladas e cinco metros de altura, então imagine o trabalho que daria para os poachers  “nocautearem” os animais e retirar o que querem, mas ao invés disso, apenas matam os animais e retiram as presas. Certas vezes, o animal nem acaba morrendo na hora e ficam agonizando por horas até vir a óbito (crueldade máxima).

Elefantes são animais extremamente sensitivos e chegam a possuir muitos sentimentos bem próximos a nós humanos como: a criação de famílias e laços. Existem alguns casos em que são adotados naturalmente por outras famílias de elefantes, mas são casos extremamente raros. O foco do trabalho feito no projeto é localizar esses animais que se tornaram órfãos, por meio da matança desses caçadores e cuidar dos mesmos até eles poderem retornar ao seu habitat natural.

Os elefantes bebês geralmente ficam ao lado do corpo da mãe após o falecimento, se tornando alvos fáceis para predadores e, ao mesmo tempo, não têm habilidades suficientes para achar comida e água, então, consequentemente, também morrem.

No instituto, eles são alimentados com leite e com vegetais (elefantes são herbívoros) até em torno de dois a três anos até serem capazes de voltar a natureza. A maioria dos elefantes são achados nos enormes parques do Quênia como Masai Mara e Amboseli, em seguida vão para o instituto para tratamento, a maioria dos animais já chegam debilitados necessitando de um muitos cuidados médicos, recebendo todo tratamento e acompanhamento.

Relato aqui o caso que presenciei da elefantinha “Zoey” que havia perdido os pais e tinha caído em um buraco enorme quebrando duas patas. Como não podia se locomover, ficou dentro deste buraco por muitos dias. Ao chegar no instituto, seu estado era gravísssimo, ainda estava debilitada, mas em processo de recuperação, voltando a andar e conseguido se alimentar.

E como o projeto sobrevive? Todos nós podemos visitar o local pagando uma taxa de 10USD e o horário ao público é aberto das 11:00 até 12:00 onde eles explicam tudo e trazem algum dos animais para brincar e os visitantes poderem alimentar os mesmos e interagir com os “bichinhos”. Há também a opção de adotar um animalzinho caso queira (calma você não vai levar um elefante para casa), uma contribuição anual (em torno) de 50USD e você adota um animal, pode dar o nome que quiser e tem entrada garantida a qualquer hora do dia e da semana para cuidar, interagir e participar da evolução do seu elefante adotado.

Confira mais do projeto na página oficial Sheldrick Wildlife Trust

E dê uma olhada em algumas fotos que tirei do local, coisa linda de se ver!

Hora do leite

Hora do leite

Fazendo uma bagunça na hora de mamar

Fazendo uma bagunça na hora de mamar

Zoey toda machucada e recebendo de cuidados

Zoey toda machucada e necessitando de cuidados

Os bebês brincando no barro

Os bebês brincando no barro

Fazendo carinho

Fazendo carinho

E aí, o que achou do post? Deixe seu comentário!

Siga a página no facebook para novidades

Mundo Sem Fronteiras

Siga no Instragram para fotos das viagens

#Worldwithnoborders

     Até a próxima e boa viagem!

Comments

comments

LEAVE A COMMENT